English Español Français Deutsch Italiano Portugu√™s Româna

CENTRO DE RECURSOS

Artigos

Comunicado de Imprensa 1 de Dezembro de 2012

A Women for Positive Action destaca a permanente necessidade de mais investigação sobre as diferenças de gênero nos resultados do HIV.
Para assinalar o Dia Mundial da SIDA (1 de Dezembro de 2012), a Women for Positive Action publicou um artigo em que destaca a insuficiência de mulheres nos testes clínicos do HIV (atualmente apenas em torno de 20%) e discute dados científicos recentes que apresentam as diferenças relacionadas com o gênero nos resultados virológicos e clínicos da terapia anti-retroviral. O artigo, disponível em: www.womenforpositiveaction.org, destaca a necessidade de se recolherem dados específicos por gênero na investigação do HIV, de modo que as decisões clínicas relativas à terapêutica possam ser orientadas convenientemente.

Sharon Walmsley, médica especialista em HIV/AIDA no Canadá e professora universitária da Women for Positive Action, explica que a “não é adequada a extrapolação para as mulheres, a partir de dados obtidos em homens que participam dos ensaios clínicos ,sendo pouco científica. Apenas com dados sobre efeitos específicos (tanto positivos como negativos) de intervenções em mulheres teremos conhecimentos para aplicar no tratamento de mulheres e otimizar futuros resultados. Já não basta apenas apresentar dados sobre a distribuição por gêneros – as investigações precisam considerar o gênero nas fases de planeamento e análise dos testes clínicos.” O artigo, desenvolvido por Sharon Walmsley, Mona Loutfy, Lorraine Sherr, Karine Lacombe e Ophelia Haanyama Ørum em representação da Women for Positive Action, disponibiliza outras opiniões especializadas sobre as implicações da falta de dados que incidam especificamente sobre as mulheres que vivem com o HIV.

“Muitos dos estudos que analisamos indicam que as mulheres podem ter pior prognóstico em relação às consequências do HIV. Isto pode ser o resultado de diferenças biológicas, comportamentais, farmacológicas e sociais entre mulheres e homens” acrescentou Annette Piecha, membro da Rede de Ativistas para a Terapia DCAB HIV, da Alemanha, e o Grupo Europeu para o Tratamento da AIDS. “Compreender o efeito específico da doença e dos tratamentos é um passo fundamental para melhorar as vidas das mulheres e para trabalhar no sentido de eliminar as desigualdades de gênero no HIV/SIDA.”

A Women for Positive Action é uma aliança de profissionais de saúde, representantes da comunidade e mulheres que vivem com o HIV, provenientes de toda a Europa, Canadá, América Latina e África do Sul, criada para abordar e resolver os problemas que enfrentam as mulheres que vivem com o HIV e os que dizem respeito ao seu tratamento. Para mais informação visite o site www.womenforpositiveaction.org.

- FINAL –

Notas para os Editores
Embora as mulheres representem 50% das pessoas que, globalmente, vivem com o HIV e seja um dos grupos da população que apresenta um crescimento mais rápido do risco de infecção pelo HIV, a investigação dirigida para os problemas específicos das mulheres é relativamente escassa e as mulheres constituem apenas cerca de 20% dos participantes em ensaios clínicos do HIV até ao momento. No âmbito da sua missão, a Women for Positive Action pretende aumentar o conhecimento sobre estudos recentes e em curso que são dirigidos às mulheres. Visite o site multilíngue http://www.womenforpositiveaction.org para obter mais informações sobre a Women for Positive Action e os projetos em curso; como alternativa também poderá seguir-nos em Twitter @WFPA_HIV. O Women for Positive Action é um programa educativo financiado e iniciado pela Abbott Laboratories.

    Referências
  1. Relatório ONUAIDS. Resposta Global HIV/AIDS 2011. Disponível em:
    http://www.unaids.org/en/media/unaids/contentassets/documents/unaidspublication/2011/20111130_UA_Report_en.pdf
  2. Soon G G et al. (2012) Meta-analysis of gender differences in efficacy outcomes for HIV-positive subjects in randomized controlled clinical trials of antiretroviral therapy (2000-2008). AIDS Patient Care STDS; 26(8): 444-53

Para obter mais informações poderá entrar em contato com o secretariado da Women for Positive Action:
E-mail : WFPA@litmus-mme.com
Twitter : @WFPA_HIV
Tel : +44 (0) 20 7632 1969
Endereço : Women for Positive Action, Program Secretariat, Litmus MME, 151 Shaftesbury Avenue, London WC2H 8AL, United Kingdom

A Women for Positive Action na XVIII Conferência Internacional sobre SIDA, Viena

A Women for Positive Action teve o prazer de participar em actividades na XVIII Conferência Internacional sobre SIDA, Viena, 18-23 de Julho de 2010

Criar a capacidade de liderança de mulheres seropositivas através de redes
Simpósio da rede de mulheres ICW
A Women for Positive Action colaborou com redes de mulheres em todo o mundo no âmbito de um simpósio organizado pela International Community of Women Living with HIV/AIDS (ICW). O simpósio visava realçar a importância de as redes de mulheres trabalharem em conjunto para melhorar a vida das mulheres que vivem com o HIV.

Lado a lado com representantes da América Latina, Estados Unidos, Ásia-Pacífico e África, Angelina Namiba falou das suas experiências pessoais como membro de várias redes europeias, incluindo a Women for Positive Action e a WECARe+. ‘Cada Rede de Mulheres exige uma visão e objectivos claros que lhes permita evoluir e trabalhar rumo a um objectivo comum’, realçou Angelina. ‘Por exemplo, a Women for Positive Action, que é liderada por um grupo de mulheres que vivem com o HIV, profissionais de saúde e representantes comunitários da Europa, do Canadá e da América Latina, visa apoiar tanto os profissionais de saúde como as mulheres que vivem com o HIV através da disponibilização de recursos.’

Todos os grupos que participaram no simpósio estão empenhados em garantir que as mulheres com HIV estejam significativamente envolvidas na formação, implementação, monitorização e avaliação de programas que tenham um impacto na sua vida. Este simpósio proporcionou uma oportunidade para sensibilizar as pessoas para a importância do apoio contínuo e do trabalho nesta área.

Recepção da Women’s Networking Zone
A Women for Positive Action patrocinou a recepção da Women’s Networking Zone (WNZ), que contou com a presença de mais de 150 pessoas. Durante a recepção, Angelina Namiba e Ulrike Sonnenberg-Schwan agradeceram aos organizadores, em nome da Women for Positive Action, o facto de terem proporcionado esta área informativa aos participantes.

A WNZ foi um fórum aberto ao público e criado pela comunidade no seio da Conferência Internacional sobre a SIDA – proporcionando um local onde os membros da comunidade, promotores, investigadores, prestadores de serviços e decisores se podiam conhecer, partilhar e aprender em conjunto.

Visite o centro de recursos para fazer o download de módulos de diapositivos educativos. Para aceder a informação sobre projectos em curso, visite a página das iniciativas.



Comunicado de Imprensa da WFPA, 4 de Março de 2010

Women for Positive Action: uma Parceria Internacional Dedicada a Melhorar a Vida das Mulheres que Vivem com o HIV

Para assinalar o Dia Mundial da Mulher (8 de Março de 2010), a Women for Positive Action vai lançar uma série de ferramentas para sensibilizar a população para os desafios que enfrentam actualmente as mulheres que vivem com o HIV/SIDA. A Women for Positive Action (WFPA) é liderada por uma vasta coligação de profissionais de saúde, mulheres que vivem com o HIV e representantes de grupos comunitários da Europa, do Canadá e da América Latina. Esta iniciativa global visa apoiar os profissionais de saúde e as mulheres que vivem com o HIV através da disponibilização de recursos em inglês e espanhol cujo download pode ser feito em www.womenforpositiveaction.org.

Para ver o comunicado na versão multimédia, clique em:
http://multivu.prnewswire.com/mnr/prne/wfpa/40788

“As mulheres que vivem com o HIV enfrentam muitos desafios como consequência da sua doença e respectivo tratamento, incluindo depressão, culpa, isolamento, discriminação e questões relacionadas com a imagem corporal”, afirmou Sharon Walmsley, Directora do HIV Clinical Research, Universidade de Toronto, Canadá. “Os novos recursos da WFPA vão incentivar a educação e estimular a comunicação entre as mulheres com HIV e aqueles que as tratam.” Os recursos educativos incluem informação sobre as melhores práticas e investigação actuais, além de estudos de casos informativos.
A WFPA reúne uma combinação única de pessoas envolvidas nos cuidados prestados às mulheres que vivem com o HIV com as perspectivas em primeira mão das próprias mulheres que vivem com o HIV. Ophelia Haanyama Ørum, Assessora Sénior, Global Partnerships on HIV and AIDS, Noah’s Ark Foundation, Estocolmo, Suécia, acrescentou: “As mulheres que vivem com o HIV representadas na iniciativa WFPA agradecem a oportunidade de incorporar as nossas experiências e conhecimentos em soluções de cuidados de saúde e sociais para as mulheres em todo o mundo que sejam afectadas pelo HIV.” 

O grupo visa capacitar, educar e apoiar as necessidades das mulheres que vivem com o HIV, os seus prestadores de cuidados de saúde e os promotores comunitários envolvidos nos seus cuidados.
Este ano, o tema para o Dia Mundial da Mulher é ‘Direitos iguais, oportunidades iguais: progresso para todos’, e proporciona a oportunidade ideal para considerar o impacto único do HIV nas mulheres. Compreender o efeito da doença é um passo decisivo para a melhoria da vida das mulheres e para superar as desigualdades entre sexos no HIV.
Globalmente, há cerca de 33 milhões de pessoas a viverem com o HIV. As mulheres representam cerca de 50% dos casos de HIV e uma proporção mais alta de novos diagnósticos em comparação com os homens. Isto significa que a quota de infecções pelo HIV entre as mulheres está a aumentar em vários países. As mulheres jovens, na África Subsaariana, com idades entre os 15-24 anos, têm três a quatro vezes mais probabilidades de se infectarem do que os homens jovens (UNAIDS, 2009). O modo de infecção mais comum é por transmissão heterossexual e a maior parte das mulheres com HIV está na idade fértil. Além disso, é mais provável que as mulheres com HIV se apresentem numa fase mais tardia da infecção pelo HIV do que os homens. Visite o site www.womenforpositiveaction.org para obter mais informações sobre a WFPA e projectos em curso. A WFPA é apoiada por um subsídio da Abbott.

Referência:
UNAIDS 2009, http://www.unaids.org/en/default.asp

Para mais informações, queira contactar:
Women for Positive Action
Program Secretariat
Litmus MME
151 Shaftesbury Avenue
London WC2H 8AL
Reino Unido
Tel: +44 (0)20 7632 1969
WFPA@litmus-mme.com